quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Pele para avião o torna capaz de "sentir".


-Por Enio Figueiredo-

Foi desenvolvido, pela empresa BAE Sistems, uma pele para avião. Isto mesmo, do modo semelhante a que nossa pele sente o toque,
o revestimento do avião será capaz de “sentir” eventuais danos à estrutura da aeronave, antes que estes se tornem relevantes e prejudiquem sua integridade estrutural.

São dezenas de milhares de microssensores, menores que um grão de arroz e conhecidos como “ciscos”, arranjados sobre uma fina película flexível. O sensores possuem uma fonte, dedicada, de energia e funcionam como uma rede, associada a um software capaz de interpretar os dados gerados. A pele pode conferir a aeronave a condição de “sentir” o vento, temperatura,tensão e movimento com incrível sensibilidade.

Desenho esquemático dos microssensores

Com esta tecnologia, haverá um imenso ganho no que diz respeito à gestão de manutenção do avião. Já que com um preciso mapeamento de toda sua estrutura, pode-se ter maior confiabilidade quando ao grau de dano e desgaste dos componentes e sua exata localização. Favorecendo, portando, uma otimização dos planos e rotas de manutenção.


Segundo a BAE, já existem peles eletrônicas que de tão sensíveis, são comparadas a pele humana. A empresa destaca que está sendo desenvolvido pele tão pequenas que poderão ser instaladas nas fuselagens agregada a pintura da aeronave.












Referência
www.inovacaotecnologica.com.br
Foto por Jim Hoagland


0 comentários:
Enviar um comentário