sábado, 8 de novembro de 2014

Diferencial: Uma obra prima da engenharia!

diferencia_carro

-Por Enio Almeida-

Considerado por muitos uma obra prima da engenharia, o diferencial tem a nobre função de permitir que duas rodas interligadas entre si e que recebem força de um único motor
girem em velocidade distinta uma da outra. Daí o nome diferencial.

Qual a necessidade de velocidades diferentes nas rodas motoras?

Quando fazemos uma curva, fisicamente, as rodas do raio interno percorrem um distância menor do que as rodas do raio externo, no mesmo intervalo de tempo.  Já que D = V.T, onde “D” é distância, “V” velocidade e “T” tempo,  uma vez que as rodas internas percorrem distancia menor , sendo o tempo constante, segue que a velocidade ou rotação das mesmas sejam menor.
Se não houvesse um diferencial o valor da rotação e torque distribuídos para as rodas tratoras seria igual. Portanto, quando o carro estivesse fazendo uma curva, uma das rodas fatalmente patinaria, além de causar um  considerável esforço nos elementos que compõem o conjunto estrutural daquele setor.

Existe algum efeito indesejável causado pelo diferencial?

Sim, quando uma das rodas tratoras fica elevada por qualquer motivo, ou em caso de terrenos irregulares, e perde-se momentaneamente o contato com o solo, o diferencial faz com que esta roda gire muito rápido, desperdiçando assim, boa parte do torque produzido pelo motor. É neste ponto que entram  dispositivos bloqueadores como, por exemplo, o LOCKER.

E nos carros com tração nas 4 rodas, os  4x4?

Para estes veículos, faz-se necessário a utilização de 3 diferenciais. Um para as rodas traseiras, um para as rodas dianteiras e outro central que fará a compensação da diferença de velocidade que também existe entre as rodas de trás e da frente.

Como realmente funciona o diferencial?


Esta pergunta dificilmente será satisfatoriamente respondida com a escrita. Por isso separamos este vídeo, legendado, que é bastante didático e esclarecedor. Assintam!











Referência
http://carros.hsw.uol.com.br/


0 comentários:
Enviar um comentário