sexta-feira, 9 de maio de 2014

O que nem todos dizem sobre o câmbio CVT.


-Por Enio Figueiredo- 
A nova tendência, quando o assunto é câmbio, é sem dúvida o CVT, do inglês Continuously Variable Transmission e no português transmissão continuamente variável. As perguntas que queremos responder neste post são:
É tecnologia nova? Como o cvt funciona? Porque se tornou tendência? Quais são as vantagens e desvantagens? E por fim. Apresenta algum problema crônico?

É tecnologia nova?

Não mesmo! Idealizado por Leonardo Da Vinci em 1490, foi utilizado no primeiro carro em 1958 e apenas apartir de 2000 que o CVT efetivamente entrou no mercado. Isto nos faz pensar, porquê só agora está sendo introduzindo no mercado brasileiro.

Como o cvt funciona?

Não parece nem um pouco com o câmbio automático, que trabalha com combinações de engrenagens planetária. Possui basicamente 3 componentes, são eles: uma polia motriz ou de entrada, uma polia movida ou de saída e uma correia de elevadíssima resistência, que pode ser de borracha ou de metal.
O funcionamento é bem simples. Ambas as polias são formadas por duas partes cônicas que são aproximadas ou afastados uma da outra hidraulicamente. Para maior torque nas rodas a polia motriz é aberta (correia posicionada próxima ao centro da polia) e a movida fechada (correia posicionada próxima ao Ø externo da polia). Ao passo que para maior velocidade o processo é invertido. Desta maneira, para um posicionamento 1 mm acima ou abaixo teríamos outra relação de transmissão e portanto outra marcha. Contudo são pré configuradas eletronicamente 7 posições. Daí dizemos que o câmbio possui 7 marchas.
Por Aaron Olaf
https://www.flickr.com/photos/aaronolaf/398634056/lightbox/

Porque se tornou tendência?

Já que em comparação ao câmbio automático, o CVT é compacto, mais leve e menos complexo, significa maior custo benefício para o fabricante. Trocando em miúdos, é tendência por que é mais barato para a indústria. O que, claro, não quer dizer que esta diferença será repassada ao consumidor final.

Vantagens


       1.    Independente da velocidade que você estiver, naquele momento a faixa de potência será a mais otimizada possível. Ou seja, a relação entre a “potência demanda” e a potência fornecida, é a melhor possível. 
       2.    Aceleração do motor com pequena variação. O que varia é apenas a posição das polias. Com isto obtêm-se menor consumo em relação ao cambio automático;

       3.    É o extremo oposto em relação ao cambio automatizado no que diz respeito a “soluços”.
       4.    Apresenta baixa perda de potência comparando-se aos demais câmbios.
       5.    Por fim, se você procura extremo conforto e suavidade, sem dúvida o CVT é a melhor escolha.

Desvantagens


       1.   Não pode ser usado para carros de alta potência por ocorrer patinação da correia. Limitado a carros com até 35 kgf.m.
       2.    Óleo da transmissão muito caro em relação aos demais. E também manutenção mais cara.
       3.    Este ponto considero desvantagem apenas para os amantes daquele vai e vem da rotação nas trocas de marchas. Pois, para o CVT, essa variação acontece muito menos, já que ao acelerar o carro, a rotação do motor sobe apenas até atingir sua potência máxima, o resto é feito pelo cambio. Ou seja, em 40 ou em 120km/h a sensação é a mesma no que diz respeito ao “sentir” o carro. Outra coisa que causa estranheza, é que acontece de o carro estar em velocidade constante e haver variação da rotação do motor (isto, se varia a solicitação). Mas sei que neste ponto posso estar sendo injusto, se há aqueles que valorizam mais o conforto e comodidade. 

O grade problema ...


Se você fizer uma pesquisa rápida na internet, sobre problemas do CVT, vai encontrar muitas reclamações quanto a altos níveis de ruídos e “travamentos”. Explico:
O que acontece é o seguinte. Apesar de possuir um lubrificante especial, não significa que o aumento da temperatura causado pelo atrito entre os elementos móveis somado ao clima tropical brasileiro não vá fazer com que a viscosidade do óleo caia demasiadamente. E quando isto acontece é que surgem os ruídos irritantes, pois as propriedades lubrificantes do óleo são comprometidas. E é a essa altura que o sistema de proteção é habilitado, limitando a rotação para impedir maiores danos.

Em tese, a solução deste problema está na instalação do chamado kit tropicalização. Que nada mais é do que um radiador ou trocador de calor que impede que a temperatura do óleo ultrapasse o limite máximo. Você deve estar se perguntando, mas os fabricantes ao trazerem esta tecnologia para o Brasil não deveriam imaginar que este problema poderia ocorrer devido ao clima deste país? Creio que imaginaram sim, ou melhor, sabem muito bem disto. Mas o que acontece é que fazendo isto o custo benefício citado acima não seria mais o mesmo. E como conhecem também os clientes que tem, sabem não vão exigir muita coisa.

foto de abertura por Matus Kalisky
https://farm4.staticflickr.com/3774/10931475553_83321e382e_c.jpg


29 comentários:
  1. Excelente mesmo. Só uma pergunta. Mesmo com a ausência do "kit tropicalização" ainda compensa comprar um carro com o câmbio CVT?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje isso já foi resolvido, acontecia nos primeiros CVT. Não há mais necessidade desse kit.
      Pra mim é o melhor cambio automático e o mais economico.

      Eliminar
  2. Estou com um pé atrás para adquirir este sistema. Só se for oferecido por um preço realmente bom. Por enquanto me inclino pelos modelos convencionais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu tenho um carro com cambio cvt ate agora não deu problema.A arrancada de baixa velocidade para alta em ultrapassagem é melhor que o automático convencional, pois já tive. Agora se você está com um atras pegue um manual se o carro que você quer oferece essa opção que também dentro uns 3 anos 2019 em diante não teremos mais carros com cambio manual. Hoje quase todas as montadoras estão indo para o cvt é só ver o mercado.

      Eliminar
    2. Tenho um Honda câmbio CVT, depois que sai do manual, não quero voltar mais . Edson

      Eliminar
  3. Tenho um Nissan versa co. Câmbio CVT e confesso não me arrependo. Dirigibilidade e conforto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele é economico? Faz quanto na estrada com gasolina?

      Eliminar
  4. O Problema é quando comparamos o carro não temos escolha o carro já sai de fabrica com esse cambio não tendo opção se pedirmos para dar um desconto devido ao cambio cvt o máximo que conseguimos é mil reais.então pergunto por que colocar esse tipo de cambio nos carros, qual a vantagem?

    ResponderEliminar
  5. Cambio muito bom, realmente não transmite esportividade, mas conforto e economia é top, e nos carros turbo o desempenho é muito bom tbm. Quanto a esse limite de torque, deve existir câmbios sim que aceitam mais do que 35kgf/cm², pois eles estão vindo em carros V6 ou 2.0 turbo, o lexus gs 450 é um exemplo, são 345cv

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Engano seu, quem tem carro equipado com turbo ou qualquer outro dispositivo q aumente a potencia acaba tendo q aliviar no pé pq realmente patina a correia nas polias do sistema cvt...quer alta performance compre um automático.

      Eliminar
  6. O meu civic tem o câmbio automático convencional de cinco velocidades, com borboletas no volante, e eu sempre dirijo no modo S, pois gosto de mudar as marchas, inclusive para frear o carro nas marchas. Com o CVT também é possível fazer isso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. http://g1.globo.com/Noticias/Carros/0,,MUL772704-9658,00-CAMBIO+AUTOMATICO+PERMITE+REDUZIDA+BRUSCA+EM+EMERGENCIA.html

      Eliminar
    2. sim, basta acionar o botão overdrive e o motor acelera

      Eliminar
  7. Sempre tive carros com cambio manual,mas, ao dirigir um carro com cambio CVT achei diferente dos demais (automático e automatizado ) Para comprar um 0km fiz teste drive em diversas marcas e optei pelo CVT em razão das pesquisas feita. No início achei estranho, mas com o passar do tempo o CVT nos ensina como usar corretamente. Hoje muito satisfeito pela compra, o carro chega fazer 15,5 km por litro de etanol afora o conforto e prazer em dirigir

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 15,5 km com etanol... vc está exagerando...

      Eliminar
    2. Não é exagero não, é realidade Antonio; não é só na palavra, tirei foto, caso queira mando a foto do computador; Obs: Eu só uso etanol nos meus carros em razão da limpeza do óleo do motor

      Eliminar
    3. Nao se tira média asdim meu amigo, pelo vomputador de bordo,faça a média no ginal de uma biagem...assim eu tbm faço uma noa média com minha captiva andando a 80km/h no plano...computafor de bordo varia o tempo todo, tirar foto debum unico momento é bobagem.

      Eliminar
    4. SILVIO - Concordo com você; para ter uma boa média é necessário que se ande a uma velocidade de 80 kms/hora, isso em qualquer marca

      Eliminar
  8. Sempre andei de manual,nao gostava de Automatico ate que comprei um Sentra,e realmente e outra coisa o cambio e muito bom,passa muito conforto,exige menos do carro,muito bom,Aprovado CVT

    ResponderEliminar
  9. Para mim o grande dilema é sobre a troca do fluido, tenho um xtrail SE 2009 e o manual só indica verificação de nivel do fluido cvt, mas meu mecãnico garante que é preciso trocar...E aí?

    ResponderEliminar
  10. Gosta do carro? Faça as trocas em no máximo a cada 40 mil km rodados.

    ResponderEliminar
  11. Já tive cambio automatico de 4 marchas e agora cvt com 7 programadas , com certeza o cvt é muito eficiente, tanto em baixa como em alta .

    ResponderEliminar
  12. O cambio cvt permite descer a serra com reduçao de velocidade no cambio? Identico a cabio manuais, cuja possibilidade tambem tem nos automaticos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, mas você sente menos o modo reduzido... O CVT tem maior inércia e menor resistência (por isso costuma ser mais econômico).

      Eliminar
  13. Fazendo coro com o Jean Soares. O mais importante num câmbio automático (seja CVT ou não) é a troca regular do fluído. No CVT recomendo trocar cada 2 anos ou cada 40 mil Km no máximo. Nos automáticos convencionais pode deixar até uns 3 anos ou 60 mil km. Mais que isso é risco. Não compensa a economia correr risco do câmbio dar problema. Caríssimo arrumar. Manutenção preventiva, em especial em câmbios automáticos, é MUITO IMPORTANTE! Olhem nos manuais dos carros e usem a tabela para "uso severo" (o mais comum para quem roda em cidades). Verão grande diferença nos alertas quando é manutenção para uso severo, mas o uso severo fica quase em letra miúda, podendo deixar o consumidor de dar a atenção devida (até mecânicos de concessionárias falham nisso). Quase sempre usamos em um ou outro quesito que caracteriza como uso severo. Fica a dica.

    ResponderEliminar
  14. Bom dia tenho uma duvida!
    Tenho um carro com cambio automático cvt. Ele costuma voltar em algumas subidas, até mesmo subidas leve e com carro vazio. É normal isso acontecer?

    ResponderEliminar
  15. Eu tenho um Sentra com 90 mil km, levei no meu mecânico de confiança que inspecionou o óleo e disse que estava perfeito. Com a cor é a viscosidade ainda boa. No manual do carro fala-se em 100 mil km a traça de óleo do câmbio. Outros dizem 40 mil km. Complexo, pois uma troca de óleo do CVT custa em média mais de 1000 reais, entre óleo, filtros, anéis e etc. Só de óleo é uma babá, custa em média 60, 70 no mercado livre, e sao 8 litros.

    ResponderEliminar